Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Quarta feira de cinzas

 

A cabeça dói, a cabeça dói, a cabeça dói, meu Deus, que dor de cabeça!

É verdade, os pés doem, as bolhas nos pés doem, as panturrilhas doem, as costas doem e a garganta dói, mas a dor terrível, a dor difícil de suportar, é a dor de cabeça.

Quarta feira de cinzas é terrível! A cabeça dói, ano depois de ano. É sempre a mesma coisa, mas a gente não aprende.

Então, ano depois de ano, a cabeça na quarta-feira de cinzas dói.

Leia também: Para muitos, o ano só começa depois do Carnaval

Não tem jeito, não tem fuga, nem solução, a única coisa pra se fazer é aguentar firme. Com ou sem Engov, a cabeça vai doer na medida exata do tamanho da conta das cervejas que foram bebidas ao longo dos últimos quatro dias, porque, ao contrário do que se possa pensar, cerveja é cumulativa e a dor de cabeça vem na sequência das cervejas bebidas desde o começo do carnaval.

Tem outras consequências? Com certeza tem, mas a mais grave, depois da dor de cabeça, é a amnésia que faz esquecer o que aconteceu poucas horas antes, quando ainda estava escuro e todos os gatos eram de todas as cores.

O que foi que eu fiz? O que foi que eu não fiz? O que foi que fizeram e eu fui no embalo, descendo a ladeira como carrinho de rolimã, na época que os meninos brincavam nas ruas?

Leia também: É carnaval

Não tem resposta. A lembrança é a falta de lembrança, ou uma mancha escura, que fica clara, toldando os olhos, como que mancomunada com a dor de cabeça, para fazer não lembrar de jeito nenhum.

Tanto faz o quê, tanto faz se foi importante ou não, agora é só no ano que vem. Hoje, a realidade é o banho frio para fazer acordar de uma vez, se vestir, comer alguma coisa e correr para ganhar a vida.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.