Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Incompetência gera incompetência

 

Diz um amigo meu que muito pior do que ciúme de mulher é ciúme de homem. Ele tem toda a razão. E se o ciúme tem uma grande capacidade de corrosão, o ciúme de homem magoado é muito mais destrutivo.

Quando, junto com ciúme, entra a incompetência, o amadorismo, o achismo e a inveja não tem jeito. O estrago é sério.

Tenho um ladrilho, trazido da Itália por um tio-avô, que tem uns versinhos que dizem: “quem pode não quer, quem quer não pode, quem sabe não faz, quem faz não sabe e assim o mundo vai mal”.

A sabedoria popular é antiga, mas não falha. No Brasil, a quantidade de pessoas que “acha” daria para encher todos os estádios de futebol e ainda sobraria gente do lado de fora.

Leia também: As coisas estão complicadas

A diferença entre achar e saber é que, quem acha vive se perdendo, enquanto quem sabe vai em frente e se dá bem na vida. Só que, no Brasil, nem sempre é assim.

É só olhar a quantidade de fake news que são passadas para a frente como verdades definitivas para se ter certeza que não pode dar certo.

Infelizmente é assim. E, como disse outro dia o professor José de Souza Martins, a intolerância do brasileiro impede que o cidadão se coloque no lugar do outro, ou ao menos que queira ouvir o outro.

Leia também: Uma sociedade doente

Por que tudo isso? Porque lamentavelmente tem gente que não percebe o estrago que faz. Como não tem o que fazer e se acha dona da verdade, usa as redes sociais para soltar o verbo sobre assuntos dos quais não tem a menor noção.

Na maior parte das vezes não acontece nada. Simplesmente, não são lidos ou, se são, é por tão pouca gente que a coisa morre aí mesmo.

O problema é quando a soma do ciúme, do achismo e da incompetência leva a resultados ruins que atingem milhares de pessoas.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.