Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Pra pensar em casa

 

O coronavírus está aí, na sua corrida contra o tempo, para fazer o maior número de vítimas, antes da pandemia começar a recuar.

O Brasil mudou de cara, de hábitos, de jeito de ser. As ruas de São Paulo, quase vazias, mostram a violência e a profundidade com que fomos atingidos.

O soco acertou a boca do estômago e até agora ainda não soubemos como sair do canto. As medidas adotadas são as recomendadas pela Organização Mundial da Saúde, o país está fazendo a lição de casa, mas tem um tempo que tem que passar, para as coisas começarem a retornar ao normal.

Leia também: A peste

O coronavírus entrou em nossas casas com a violência e a rapidez com que atingiu o resto do mundo. Veio, viu e fez a festa, se espalhando por todos os continentes numa velocidade muito mais alta do que se esperava no começo da epidemia chinesa.

A imprensa em geral dedicou espaço e tempo para ele. Especialistas, jornalistas, apresentadores, empresários, simples cidadãos, todos foram ouvidos sobre os efeitos dramáticos do coronavírus na vida de cada um.

É bom ter sido assim, a população tomou consciência do perigo e aceitou as medidas para minimizá-lo, mesmo tendo que mudar sua rotina.

Leia também: Os números não mentem

Penas que não tenhamos a mesma percepção de outros problemas que custam mais caro do que o coronavírus.

A dengue é uma epidemia brutal, com características de endemia em várias regiões do país. A chicungunha vem na cola da dengue. O sarampo segue a chicungunha e a hanseníase está fora de controle.

Para não falar nos 60 mil homicídios e 40 mil mortes no trânsito que todos os anos enlutam o país. Se o coronavírus servir para abrir nossos olhos para as outras tragédias, seu preço, ainda que caro, fica suportável.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.