Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Praças e parques

Ninguém discute que o Ibirapuera é um parque, e grande. Ninguém discute que o Trianon é um parque, não tão grande. Ninguém discute que o Alfredo Volpi também é um parque, com mata mais fechada.

São Paulo tem parques, tem praças e tem áreas que não são nem uma coisa, nem outra, mas que são promovidas a parques e praças.

Algumas são meros triângulos feitos com “gelo de baiano” em volta de um semáforo ou para limitar o acesso de uma rua. Quer dizer, não ocupam 20 metros quadrados, mas lá está a placa: Praça XPTO.

Também tem o caso das praças que ficaram mais velhas e por isso foram promovidas. Não que a idade seja motivo para a promoção. Se não preencher os requisitos, não pode ser promovido, ou não poderia, já que no Brasil, e São Paulo está no Brasil, as coisas não funcionam bem assim.

É o caso da Praça Buenos Aires. Durante décadas ela foi praça. Praça Buenos Aires. Era assim, quando meu pai, na década de 1920, brincava nela. Quando, nas décadas de 1930 e 1940, foi fotografada como cartão postal, na década de 1950, quando eu brincava lá; e depois, por outras décadas, quando eu passava por ela pelas mais variadas razões.

Um belo dia, apesar da placa de rua ter escrito Praça Buenos Aires, ela foi promovida a parque. Parque Buenos Aires. Um quarteirão exato, o mesmo tamanho de sempre, nem um metro a mais, mas Parque Buenos Aires.

As interpretações variam. Poderia ser vontade de homenagear a Capital do país vizinho. Alguém me disse que poderia ser uma homenagem para o namorado de uma autoridade da época. Enfim, poderia ser muita coisa. Tanto faz, antes de tudo foi falta de respeito com os marcos que balizam a história e a locomoção pela cidade.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.