Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

O décimo primeiro canto

 

Camões compôs Os Lusíadas em dez cantos. Ficou faltando o décimo primeiro, justamente o que falaria das façanhas portuguesas na América do Sul, empreitada sobre-humana, realizada por europeus a serviço do Rei de Portugal, que garantiu a formação e consolidação do que hoje é o Brasil.

Leia também: Homenagens e vaidades

Não o Brasil atual. Este é uma criação de D. Pedro I, que transformou o enorme território conquistado ao longo de três séculos numa nação una, forte, com fronteiras definidas e sonhos em comum. Mas o imenso território, parte português desde o início, parte arrancada dos espanhóis, que foi se formando na marcha irrefreável dos bandeirantes que nunca respeitaram o tratado de Tordesilhas e que, em sua saga fantástica, escalaram os Andes, desceram o Amazonas, se espalharam pelos pampas, abriram o São Francisco e arrancaram das matas Sabarabuçu, Goiás e Mato Grosso.

O Décimo Primeiro Canto pautou a imensa poesia de Paulo Bomfim, no Armorial da conquista da terra, sem qualquer interrupção, na sequência da conquista do oceano.

“Para que fosses nosso, ó Mar”, quantas terras arrancamos das matas? Quantas Lagoas Douradas? Quantos Paraopebas? E os infinitos Eldorados validando as lendas…

Quem foram os homens que entraram sertão a dentro na busca dos sonhos, das esperanças e das certezas que os fizeram varar vales, escalar morros, conquistar terras, pelas trilhas, Peabirus e cursos de rios, que os levavam e os traziam de volta para São Paulo ou os deixavam, flechados, dormindo eternamente no solo das matas.

Leia também:  “História do Brasil nos Traços de Estigarribia”

“Primeiro foi o mar… depois houve caminhos e sementes: o sonho despertou areias brancas e a treva amanheceu em madrugada”. Homens escreveram com sangue o Décimo Primeiro Canto. Ah, Paulo Bomfim, que nas matas da eternidade você encontre os que não voltaram…

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.