Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Antes tarde do que nunca

 

Conversa vai, conversa vem, a verdade é que até agora não existe um remédio específico para combater o coronavírus, como também não existe uma vacina.

Os americanos falam em vacina, os chineses falam em vacina, tem quem fale em plasma como forma de impedir o vírus de se infiltrar nas células, mas o fato concreto é que, neste momento, não existe um medicamento nem uma vacina comprovadamente eficiente conta a covid19.

Leia também: Força-tarefa une laboratórios

E, por mais rápido que a vacina e o remédio sejam desenvolvidos, só milagre vai fazer o Brasil ter um ou outro antes do fim do ano.

Não tem mágica debaixo do sol, as coisas são como são e as pesquisas no campo da medicina apresentam resultados depois de anos de trabalho, pesquisas, experiências, testes e o mais necessário para garantir a segurança do paciente, antes da utilização do novo medicamento.

Nem poderia ser diferente. Uma coisa é teste em laboratório, outra completamente diferente é a aplicação da droga num ser humano, no universo real. Invariavelmente, o que funciona em tubos de ensaio não funciona tão bem assim numa pessoa.

Os cientistas sabem disso. Então não prometem nada, nem para o bem, nem para o mal. Apenas seguem trabalhando na busca da vacina e da cura para a covid19. E quando alcançam um ponto que justifica, escrevem artigos técnicos e científicos, dando conta do que fizeram, dos progressos e das expectativas.

Leia também: Vacinar resolve

O show da solução mágica é o território dos populistas, dos que precisam levar o povo no bico para se manterem no poder.

O que precisamos ter claro, neste momento muito complicado, é que a vacina e o remédio vão chegar mais rápido do que em qualquer outra situação do passado. Assim, realisticamente, antes tarde do que nunca.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

 

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.