Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Um bilhete sem garrafa

 

Socorro! Socorro! Simplesmente socorro! Estou escondido num quarto escuro, esperando a tormenta passar.

Alguém me ajude, me envie uma equipe de resgate! Estou perto do Trópico de Capricórnio, numa sala escura, olhando pela fresta da janela o que acontece do lado de fora.

Leia também: A solução é o caos

Não deveria acontecer, mas acontece. Todos deveriam estar como eu, escondidos dentro de casa… Mas como fazer isso numa cidade com onze milhões de habitantes?

Como fazer isso quando o Presidente da República passeia a cavalo, fantasiado de caubói de chanchada da Atlântida? Não tem jeito, não tem solução, não tem salvação. O destino do Brasil é descer a ladeira até o fundo do poço, mesmo o poço não tendo fundo.

Quem disse que não tem fundo? Nós sabemos. Estivemos lá ou quase lá e nunca encontramos o fundo. Sempre dá para descer mais um pouco e o fundo continua mais fundo.

Socorro! Chamem os cruzados, o General Custer, Ivanhoé ou o Capitão Sete. Só não chamem quem foi eleito prometendo mudar.

Alguém tem que me tirar daqui. Alguém tem que me tirar deste quarto escuro, de trás deste móvel velho, onde me deitei para me esconder das balas, para desviar dos carros, para enganar o vírus. E não vai ser ele.

Viver no Brasil é muito complicado. Entra ano, sai ano, os que mamam continuam os mesmos, tanto faz com quem ou de que lado.

Como disse o príncipe italiano: “Às vezes é preciso mudar para tudo continuar como sempre foi”. No Brasil, entra governo, sai governo, é só questão de tempo para tudo ser como sempre foi. Nem os atores mudam mais.

Leia também: Tá todo mundo louco

Mais seis meses, menos seis meses, eles voltam, reocupam seus lugares e nem trocam a fantasia. Pra quê? Eles sabem que mandam. Coitados de nós, que pagamos a conta e achamos que dá para ser diferente.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.