Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Uma arma chamada pão

Em princípio, um pão não é uma arma. Por isso não é comum lermos nas manchetes dos jornais: “armado com uma baguete, ladrão assaltou casal dentro do parque”, ou “ ladrão aponta bisnaguinha para senhora e rouba seus anéis”. Um pão não é um 38, nem uma 380. Um pão é um pão, serve para ser comido, com uma boa média, ou chocolate quente, só com manteiga, ou com queijo e geleia, no café da manhã. Sem pão não se faz x-salada, nem cachorro quente. Não tem sanduíches, ou torradas.

Sem pão o povo começa revoluções. Que o diga Maria Antonieta que perdeu a cabeça porque sugeriu que os franceses comessem brioche. E os imperadores romanos que acalmavam a plebe dando-lhes pão e circo.

Com pão as manhãs frias de inverno ficam menos doídas, menos agressivas. E o seu cheiro típico, saindo da chaminé de uma padaria, num domingo de manhã tem o dom de fazer a vida mais bonita e as pessoas mais felizes.

Mas em nenhuma destas situações o pão parece, é ou foi uma arma. Pelo contrário. O máximo que ele fez foi servir de pretexto para o povo pegar em armas e derrubar um regime despótico.

Então por que esta preocupação com uma arma chamada pão? A resposta é simples: “pode ser que um pão sozinho não seja uma arma, afinal, ele tem noção de tamanho, mas em bando, centenas de pães juntos, avançando dentro de caixas transportadas por um caminhãozinho dirigido por um louco, de fábrica de pães, eles podem ser terríveis; mais letais que um caminhão de tijolos, ou um caminhão de lixo clandestino”. Tudo vai do motorista da máquina de guerra cheia de pães entrar ou não, sem se importar com você, na rua em que você está. Passe pela experiência e descubra: um bando de pães pode matar a gente.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.