Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Tem mais desempregados que empregados

 

A pandemia é cruel, brutal e se reflete, além do número de mortos, no número dramático das pessoas sem emprego.

De acordo com o IBGE, atualmente, o Brasil tem oitenta e sete milhões e setecentas mil pessoas em idade de trabalhar sem ocupação, contra oitenta e cinco milhões e novecentas mil formalmente trabalhando.

Leia também: Desemprego impulsiona o empreendedorismo

Só nos meses de março, abril e maio, sete milhões e oitocentas mil pessoas perderam seus empregos. É o pior desempenho desde que a pesquisa Pnad contínua do IBGE começou a ser feita, em 2012.

Este número reflete a realidade de mais de dois milhões de postos formais de trabalho fechados, mas os mais afetados foram os trabalhadores informais, dos quais cinco milhões e meio ficaram sem ocupação.

É um cenário apavorante, que fica mais terrível ainda quando se sabe que a cadeia do desemprego e da falta de ocupação deve prosseguir subindo nos próximos meses, independentemente das ações que venham a ser tomadas para reverter o quadro.

Qual será o fim disto? Essa é a pergunta que não quer calar e que ninguém sabe a resposta.

O Governo está fazendo o que pode para minimizar o impacto sobre as pessoas, mas não se sabe se será suficiente. A prorrogação do Auxílio Emergencial foi uma decisão sábia e necessária, mas e depois dela?

A crise não vai acabar em sessenta dias. 2020 será lembrado como o pior ano da história recente e os prognósticos para 2021 não são os mais animadores.

Leia também: Qual será o destino dos bares e restaurantes?

O cenário é trágico e as projeções não injetam nenhum otimismo nas análises. O mais complicado é que as pessoas continuam nas ruas, como se estivessem de férias, ajudando o coronavírus a matar mais no curto prazo e a aumentar a crise no futuro.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.