Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

A cidade cruel

São Paulo é uma cidade cruel. Não perdoa o fracasso, não perdoa o medo, não perdoa a hesitação. De outro lado, a recompensa para o sucesso não tem tamanho, nem fim. O vitorioso leva as batatas, os prêmios e os quinze minutos de glória de uma entrevista na TV ou uma foto em revista de celebridades passageiras.

Pouca coisa é permanente, incluída a fama e a certeza do eterno. Entre as que não parecem ter vontade de mudar e que resistem bravamente a qualquer tentativa de melhora, está a falta de respeito com que a cidade trata todos que de alguma forma são portadores de algum tipo de deficiência ou possuem alguma dificuldade de locomoção.

São Paulo é implacável. A começar por suas calçadas. Desde o projeto, até a conservação, maioria das calçadas paulistanas não é feita para quem tem qualquer redução na capacidade de se mover.

Com desenhos mais ou menos arrojados, apresentam diferenças de alturas, degraus mal intencionados, buracos, desníveis e o mais que puder ajudar alguém a cair.

Mas não são só elas. As ruas não ajudam em nada. As guias não são rebaixadas, não há faixas de pedestres, nem tempo garantido para alguém com uma redução motora atravessar as pistas em segurança.

Para não falar nos ônibus. Até que alguns estão melhores, mas a média continua uma impossibilidade concreta. Ou uma piada de mau gosto. Para o deficiente atingir os bancos separados para ele, e que estão sempre ocupados por gente que dificilmente se levanta, é uma operação de guerra. O banco normalmente fica espremido em cima da roda, no lugar de acesso mais difícil de todos.

É tempo disso mudar, mas para isso você também tem que ajudar.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.