Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Os ipês brancos

 

Os ipês brancos poderiam ser chamados de cruéis. Afinal, eles entram em cena no mesmo momento que as azaleias e tem gente que acha que isso é de propósito, para atrapalhar o brilho das flores rosas e brancas dos arbustos que crescem encostados nos muros das casas dos anos 1950 e 1960 espalhadas pela cidade.

Leia também: Mais ipês florescem em São Paulo

As azaleias, este ano, vieram com tudo, dispostas a dar show e estão dando. A florada está deslumbrante! Elas entraram em cena mais cedo, mas entraram fazendo bonito.

Não dá para dizer que vieram a fim de ofuscar os ipês roxos, mas entraram para competir e dividir o olhar de quem as vê e de quem vê as árvores floridas.

O problema das azaleias, se é que se pode chamar de problema, é que elas são apenas elas, enquanto os ipês têm vários primos e cada um chega no momento de cobrir a retaguarda do parente que veio antes.

Agora, são os ipês brancos que estão chegando. Não sei se eles são os mais bonitos, mas, com certeza, são os mais delicados. A florada é suave, tranquila, não só não agride, como passa sensação de paz e de que o mundo é fácil e a vida mansa.

Diz a lenda que quem pode mais chora menos. É verdade, na natureza e entre os seres humanos costuma ser assim. Mas os ipês brancos não são os mais fortes, nem os mais resistentes e, no entanto, sua florada breve é poesia pura e, no instante em que estão floridos, são os mais poderosos.

Leia também: Ipês rosas mostram para o que vieram

Em poucos dias, eles vão ceder a vez para os ipês rosas que já estão se aprontando, como se pode ver com engraçadinhos mais apressados saindo da toca e colocando suas flores como se já fosse a vez deles. Tanto faz, neste momento os ipês brancos estão soberanos, dividindo o pedaço com as azaleias. Sem dúvida, quem ganha com isso somos nós.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.