Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

O bazar Angélica fechou as portas

 

Ao mesmo tempo que o Brasil chegou nos cem mil mortos vítimas do coronavírus, eu descobri que o Bazar Angélica fechou as portas. É dessas baixas inacreditáveis. Ao longo de mais ou menos quarenta anos, o Bazar Angélica foi um marco no bairro, a certeza de que a vida segue suas rotinas e que, um dia depois do outro, cada um de nós traça seu caminho.

Não me lembro a primeira vez que fui ao Bazar Angélica, que eu não chamava de Bazar Angélica, mas onde eu comprava utilidades de todos os tipos, de chaveiros a canetas, de perfume a sabão de barba e presentes.

Leia também: O Itamarati fechou

Era dessas lojas pequenas, típicas dos bairros de São Paulo de trinta anos atrás, dando para a rua, com uma infinidade de artigos essenciais, que você não encontra em outro tipo de loja.

Os proprietários, com o tempo, ficaram meus amigos. Eu ia lá e perguntava por um produto. Se não tinha, eles encomendavam e me telefonavam quando chegava.

O Bazar Angélica ficava na Avenida Angélica, no prédio que faz esquina com a Avenida Higienópolis. Ficava meio escondido, atrás de uma grade alta. Seu vizinho era um bar que eu não sei se continua aberto ou se também fechou as portas.

É da natureza das coisas um belo dia tudo ter fim. Dizem que até o universo um dia vai acabar. Meu consolo é que isso deve acontecer depois que eu tiver partido, então não me preocupo, nem perco o sono pensando no fim do mundo.

Leia também: Comércio em São Paulo

Mas o fim do Bazar Angélica me entristece, me faz pensar na finitude da vida e na imprevisibilidade do destino. Se uma loja não tinha razão para um dia acabar era ela. Discreta, pequena, sólida na sua tradição, o Bazar Angélica deveria estar lá, firme e forte, quando eu voltasse a frequentar a Cantina Roma. Só falta o Roma também não reabrir…

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.