Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

O trânsito alucinado

 

De alguma forma, a pandemia, ou as consequências da pandemia, bateram forte nas pessoas e o resultado é uma enorme falta de paciência em relação a tudo.

Cada um acha que tem mais direito do que o outro e isso se reflete na absoluta anarquia em que se transformou o trânsito da cidade.

Leia também: O trânsito perto do natal

Não que antes da pandemia fosse muito melhor, com certeza não era, mas também não era tão sem regras como agora.

Sempre tivemos os adoradores do pisca-alerta, motoristas que ligavam o pisca-alerta e paravam em lugar proibido ou em pista dupla, ligavam as luzes intermitentes e, por causa delas, se achavam no direito de ficar parados e atrapalhar o trânsito, evidentemente influenciados pelos caminhões de entrega de bebidas.

Agora, o que acontecia, mas era exceção, virou regra. O cidadão vai na sua frente, breca antes de ligar o pisca-alerta, para, liga as luzes amarelas e o resto que acabe em barranco, não é problema dele. Alguns se dão ao luxo de descerem, trancarem o carro com as luzes ligadas e irem fazer outra coisa, pouco se importando se pode ou se não pode.

Leia também: Menos jovens envolvidos em acidentes de trânsito

Como não tem marronzinhos nas ruas, não acontece nada. Ai a questão que se coloca é se é melhor ficar como está, sem marronzinhos, ou pedir a volta dos bravos agentes da CET. Confesso que tenho sérias dúvidas se não é melhor aguentar os motoristas sem noção do que ter os marronzinhos de volta. Ninguém me convence que eles têm alguma utilidade e que não atrapalham ainda mais o trânsito.

Se fosse só isso, já estaria bom, mas o show de horrores vai muito além. Não se respeita mais absolutamente nada, de velocidade a mão e contramão. As ruas são como pistas de patinação no gelo. Cada um vai como pode ou quer, só falta os acidentes crescerem, mas isso é rápido.

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.