Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

José sumiu

José sumiu. Eu não conhecia José e com certeza nunca vou conhecer. O meu José é obra de ficção, por isso eu sei que ele não vai aparecer de novo. Ele foi criado por mim e eu quis que ele sumisse e ninguém nunca mais o visse, nem eu, como se um sopro de vento tivesse descido a terra, enrolado José e o carregado para o céu.

Mas existem outros Josés que não são personagens de crônicas. Que são reais e que somem sem deixar rastro, sem um sinal, sem um aviso. Simplesmente saem de casa e não voltam. Desaparecem como se meu pé de vento descesse do céu e os carregasse sabe Deus pra onde.

É por isso que o meu José, mesmo não existindo, é triste. Ele foi criado porque fiquei pensando na tortura dos que têm pessoas amadas que somem, sem sinal, sem recado e sem aviso.

Sem uma razão que justificasse sumir, sem um motivo para justificar, primeiro, o espanto, e, depois, a tragédia da ausência, que não é uma morte, e que não é aceita como definitiva.

Imagine a ansiedade de quem fica esperando, por dias, meses e anos, a volta de alguém que não partiu, mas que um belo dia nunca mais voltou.

Como compreender a ausência fora de esquadro e inesperada de alguém que não tinha razão nenhuma para ir embora, e muito menos para sumir?

Não há consolo porque não há certeza. A morte é trágica, mas a morte é definitiva. A pessoa morre. É uma certeza.

Mas quem some, pode estar morto ou não. Pode um dia voltar. Pode não voltar e estar vivo. Pode estar precisando de ajuda, pode estar perdido.

Pode tanta coisa, que a ausência do desaparecido toma conta da vida e mata a alegria.

___
Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.