Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

A retomada gradual dos pequenos negócios

Há um longo caminho a percorrer, mas o cenário está melhor

Os donos de pequenos negócios estão mais otimistas. Isso é o que mostra uma pesquisa do Sebrae, feita no final de julho, com a participação de 6.506 empresários de todos os estados do país e do Distrito Federal. Entre eles, 76% retomaram os seus negócios, mas de forma diferente para a grande maioria. Muitos tiveram que se reinventar, buscar pela inovação e digitalização da sua empresa. Entre as ferramentas digitais, a versão comercial do WhatsApp foi a mais procurada por eles.

Com a flexibilização do isolamento social e a reabertura dos estabelecimentos em grande parte do país, mesmo que de forma gradual, as micro e pequenas empresas começaram a reagir diante da crise. Ainda que haja um longo caminho a percorrer, entre junho e julho, passou de 84% para 81% o número de empresas que estão sofrendo redução no seu faturamento e de 40% para 36%o número de empresários com empréstimos ou dívidas em atraso.

A pesquisa também constatou que a localização da empresa tem peso, as que estão em locais com as maiores chances de aglomerações ficam em desvantagem, como é o caso das que estão dentro de feiras e de shoppings, entre os entrevistados com esse perfil, 42% estavam com as portas fechadas, enquanto entre os que têm lojas de rua, 88% já abriram suas portas.

E entre os segmentos, a indústria de base tecnológica, saúde, moda, serviços de alimentação e a indústria alimentícia foram os que apresentaram uma melhora no seu faturamento. Por outro lado, pet shop e serviços veterinários, agronegócio, energia, artesanato e logística e transporte, tiveram uma retração no faturamento, quando comparados os meses de junho e julho.

Você acha que grande parte dos pequenos negócios sairão da crise? Compartilhe:

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.