Adeus Sérgio Mamberti

Ter amigos faz a diferença. Nesta vida, um bom amigo é um tesouro mais rico do que pedras preciosas, dinheiro ou bilhete de loteria. Um amigo não tem preço, bate todas as altas da Bolsa, ganha dos títulos do governo e da inflação causada pelo desgoverno. Eu tenho sorte. Eu…

Continuar lendo

Orografia

Firmes, as duas montanhas se erguem paralelas, lado a lado, desafiando o céu, no final da campina que suavemente sobe em direção às suas bases. Cônicas, como vulcões adormecidos que, com certeza, um dia voltarão a explodir o magma da vida, elas, do alto de seus belos picos observam a…

Continuar lendo

As borboletas e as matas

As borboletas amam as matas. É nelas que elas crescem, aprendem a voar e, depois, um belo dia, deixam a proteção das sombras densas para se aventurarem no ar claro do dia sob o sol, arriscando a vida, na sanha dos pássaros e dos caçadores de borboletas, que as procuram…

Continuar lendo

O Mando morreu

A vida é a vida e ela nos pega sem aviso, sem hora certa, sem razão aparente ou ao menos compaixão. Ela bate e é isso. Temos que seguir em frente, absorvendo a porrada, às vezes mais pobres e sempre mais doídos. Meu primo Armando de Salles Oliveira, o Mando,…

Continuar lendo

Teu brilho

A lua cheia brilha no céu um brilho forte, que forma à sua volta uma aura mágica, como se o satélite fosse uma santa mostrando para a terra a força da sua divina existência. É um brilho único, feito do reflexo do sol no corpo da lua que brilha seu…

Continuar lendo

Crônica 7400

Um belo dia, vinte e nove anos atrás, resolvi propor ao João Lara, Diretor da Rádio Eldorado, levar ao ar uma crônica diária com temas e assuntos ligados à cidade de São Paulo. Assim nasceu a Crônica da Cidade, que foi ao ar pela primeira vez em outubro de 1992….

Continuar lendo

A florada dos hibiscos

Quando eu era mais moço, a cidade de São Paulo tinha uma quantidade enorme de hibiscos plantados ao longo dos muros das casas, nas praças e nos cemitérios. Com o passar dos anos, os hibiscos foram saindo de moda, substituídos por outras plantas diferentes, que hoje se espalham pela cidade,…

Continuar lendo

Por que não?

A pergunta não é por quê, a pergunta é: por que não? Por que é assim? Não tem por quê. Por que não é assim? Tem por quê. A diferença é imensa e explica tudo o que nem sempre conseguimos entender e que faz a diferença. Nem sempre temos condições…

Continuar lendo

Chuvas

Até mesmo a maioria das vezes em que entramos na mata, sentindo na hora o cheiro bom de terra úmida, some, completamente esquecida entre lembranças mais importantes, que também somem, engolidas pelo dia a dia da vida e pela sequência impressionante de experiências que vamos vivendo e que vão enterrando…

Continuar lendo

Rosa dos ventos

Qual o rumo de teu rumo? Que caminhos secretos te levam para mais próxima da felicidade? Que rota ou derrota comanda tua nau no longo percurso de tuas Índias? Para que latitude te leva teu portulano? Para que porto? E de que porto vieste? Em que terra esculpiram a carranca…

Continuar lendo