Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

A mensagem dos resedás

 

Estamos entrando nas férias. Férias escolares que foram injustamente encurtadas em nome de um ensino que, ao longo das décadas, mergulhou de cabeça na sandice, na demagogia e na incompetência que colocam o Brasil numa das piores posições entre as nações minimamente civilizadas.

Quando eu ia à escola, as férias, para os bons alunos, começavam no meio de novembro e seguiam ininterruptas, até o começo de março. Hoje os alunos entram em férias em dezembro e miseramente podem curtir o tempo de lazer até o começo de fevereiro. A pergunta, mais do que por quê, é para quê?

Leia também: Os resedás e a beleza

O que foi que eles fizeram para merecer este castigo, deliberadamente imposto pelos nossos políticos, em grande parte, no máximo semialfabetizados, ninguém sabe.

Duvida que sejam semialfabetizados? Pergunte se a maioria sabe o que aconteceu no dia 23 de maio, ou se fazem ideia do que foi o Capão da Traição, ou se “quiser” escreve com “z” ou com “s”.

Pergunte em que ano o Brasil entrou na Segunda Guerra Mundial, ou porque o dia primeiro de maio é o dia do trabalho.

Pergunte se sabem quando o Brasil instituiu o voto feminino. Mas não pergunte o que é uma Constituição Outorgada, isso é querer demais.

Leia também: Os mija-mijas intrometidos

Isso tudo para dizer que os resedás estão floridos e como a época da florada dos resedás é nos meses de verão, nada mais lógico do que as férias estarem aí.

Bem-aventuradas férias de verão, na qual uma grande parte da população de São Paulo se muda temporariamente para as praias e montanhas. Bem-aventuradas férias de verão, que, depois do Natal, deixam a cidade mais calma e mais amiga. Bem-aventuradas e que durem! Amém.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.