Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

A CET de Uberaba

 

Eu tenho uma notícia que tem dois lados explosivos, um menos ruim e outro muito ruim.

O lado menos ruim é que a CET de Uberaba consegue ser pior do que a CET de São Paulo. Pasme, mas é isso mesmo! A CET de Uberaba conseguiu a façanha de ser pior do que a CET de São Paulo.

O lado muito ruim é que a CET de São Paulo foi desbancada por uma rival mais incompetente, que conseguiu criar experiências incríveis, como você ter que rodar quatro ou até mais quarteirões para chegar num endereço na rua de trás.

O descalabro é de tal ordem que a bagunça que foi feita no Butantã, depois da inauguração do Metrô, fica parecendo brinquedo de criança.

Leia também: A CET se rende ao óbvio

Os congestionamentos na rua Alvarenga, rua Camargo e outras na região é de deixar Papa sem paciência, mas, perto do que acontece em Uberaba, não é absolutamente nada.

Parece que Uberaba foi no Paraná buscar um especialista para redesenhar o mapa viário da cidade. Se é verdade ou não, não sei, mas que o trabalho realizado nos últimos anos apavora, isso ninguém tem dúvida.

Entre os vários resultados concretos consequentes das mudanças, um com certeza tem impacto sobre o número de acidentes de trânsito. E impacto negativo.

Leia também: A CET não se corrige

Para conseguir tocar a vida, os motoristas começaram a andar na contramão ou então de macha-ré, até chegarem na transversal que dá acesso à rua que, sem nenhuma razão aparentemente lógica, mudou de mão, provavelmente para a CET de Uberaba desbancar a CET de São Paulo e assumir o posto da mais incompetente entre as mais incompetentes.

Eu imagino a humilhação da CET paulistana. E é isso que me preocupa. E se São Paulo decidir recuperar a posição perdida?

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.