Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

A hora da onça beber água

 

Será que todos já pensaram no que quer dizer “a hora da onça beber água?” Todos os animais bebem água.

Algumas regiões têm mais água, então é mais fácil beber e ficar em segurança, mas outras, nos meses secos, ficam apenas com algumas poças e a situação se complica, porque o espaço para cada animal fica menor e mais arriscado.

Independentemente da sede, todos sabem que a hora errada de beber água é a hora que a onça decide que é hora dela beber água. Quem manda nas matas brasileiras é a onça pintada, um dos animais mais bonitos e mais forte da natureza.

E ela é eclética na alimentação. De peixe a jacaré, de tatu a anta, onça come o que tem pela frente, incluídas as criações e os donos das criações. Onça mata homem.

Leia também: Pombas e capivaras

Algumas inclusive viciam no esporte e, curiosamente, continuam matando porque os homens são teimosos feito capivaras e não acreditam que onça mata homem, por isso continuam fazendo o que faziam antes da onça começar a matar naquele pedaço.

Não tem veado campeiro, nem veado mateiro, nem veado pantaneiro que beba água ao lado de uma onça. As chances de continuarem vivos são muito reduzidas. Então eles preferem em outra hora.

Leia também: Por que remar contra?

Onça com sede chega, desce o barranco e começa a beber. Os incomodados que se retirem. E, se não se retirarem, melhor para ela: pode, além de beber, caçar a janta, quase que ao mesmo tempo.

Justamente pelos riscos envolvidos na realidade da natureza, o caipira criou a frase “é hora da onça beber água”.
Ficam na frente apenas os muito loucos e os que não conseguiram fugir. Onça com sede é sinônimo de onça com fome. Fique longe dela.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.