Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Educação e cultura são coisas sérias

 

Enquanto algumas dezenas de milhares de chineses estão nos Estados Unidos estudando nas melhores faculdades do mundo, no Brasil espalhou-se a lenda de que formação escolar e cultura são inúteis.

Com certeza, parte disto vem do fato de nossos governantes, nos últimos anos, não apresentarem currículo mais substancioso. Ao contrário, basta ver os nomes e apelidos adotados por importante parcela dos integrantes do Legislativo para se ter certeza de que a formação acadêmica tem muito pouca importância nas rotinas da democracia nacional.

O problema é que esse descaso, ou melhor, essa ação quase que deliberadamente implantada, tem consequências dramáticas para o futuro do país.

Leia também: O Manifesto Comunista

Enquanto parcela significativa de nossa juventude nunca entrou num museu, na Europa e nos Estados Unidos, desde que entram na escola fundamental, as crianças são levadas aos melhores museus do mundo, acompanhadas por professores que sabem explicar o que elas estão vendo.

Enquanto parte de nossas escolas forma analfabetos funcionais, as escolas dos outros países preparam seus alunos para a quarta revolução industrial e para o uso cotidiano de tecnologias como a 5G.

Leia também: 1932 e a realidade atual

E isso não acontece apenas nas nações mais desenvolvidas. China, Índia, Rússia, Singapura, Coréia, República Tcheca, Hungria, Portugal, etc. investem maciçamente na formação de seus jovens.

A consequência é que a distância entre nós e eles aumenta cada vez mais, nos condenando a sermos eternamente uma nação de segunda classe, sem condições de competir num mundo globalizado e cada vez mais interdependente.

Para mudar nossa realidade são necessárias algumas gerações. Se nós não começarmos logo, o nosso futuro está longe de ser cor de rosa.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.