Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Solidariedade faz a diferença

 

A Santa Casa de São Paulo está empenhada na luta contra o coronavírus. O Hospital Central foi adaptado e o pronto socorro, desde o primeiro momento, foi dividido em duas áreas: uma apenas para suspeitas de coronavírus e outra para o atendimento geral da população.

Leia também: Iniciativas do bem

Foram montadas tendas na entrada principal do prédio do Hospital Central para facilitar a triagem e o encaminhamento dos pacientes, descongestionando a entrada do pronto socorro. O ambulatório continua aberto, mas para atender os casos graves que não comportam adiamento; a oncologia e outros serviços essenciais seguem em operação, mas o foco da Santa Casa é atender o maior número possível de pessoas infectadas.

Isso custa caro, envolve a utilização de recursos, materiais e equipamentos que não são fáceis de encontrar e que, quando encontrados, estão muitas vezes com o preço muito mais alto do que há pouco tempo, quando a pandemia ainda estava distante.

Como a Santa Casa tem se virado? Com a ajuda de milhares de pessoas, empresas e organizações de todos os tipos e tamanhos, que têm feito as doações sem as quais a Santa Casa não teria como enfrentar a pandemia.

Leia também: Santa Casa na pandemia

Entre as muitas organizações parceiras, uma tem se destacado pelos volumes alocados, pelo comprometimento, a dedicação de seus integrantes e a vontade constante de fazer mais.

A Pró Vida tem sido um exemplo de solidariedade no meio de uma crise sem precedentes. A Santa Casa continua aberta e operante muito porque a Pro Vida tem doado os equipamentos de proteção, além de reformar mais de 20 ventiladores, que permitiram abrir mais 20 leitos de UTI, destinados aos pacientes da Covid19. Obrigado, Pro Vida! Sem vocês e os outros que têm doado o que podem, a Santa Casa faria muito menos.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.