Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

A Pandemia não foi embora

 

Apesar de todos os pesares, a verdade é que a pandemia não foi embora. O coronavírus segue firme e forte na sua marcha, levando todos os dias mais de mil pessoas.

A pandemia não foi embora, a vacina ainda não chegou, a cloroquina não funciona, o vermífugo não funciona, tem gente mal intencionada ganhando dinheiro com os boatos, tem gente gastando dinheiro com os boatos, mas, de verdade, o que nós temos mesmo são irresponsáveis fazendo festa nas ruas, como se fosse carnaval ou dia de soltar rojão.

Leia também: O lado mais negro da pandemia

Antes é muito cedo, depois é muito tarde, neste momento é cedo para qualquer comemoração. A pandemia agradece a festa, o feriado, o carnaval. Nós não podemos dar de presente pro vírus a saúde de milhares de pessoas que não têm nada com isso, mas que correm o risco de morrer.

É verdade que, em muitos casos, não tem o que fazer. Falar em isolamento social nas comunidades é acreditar em Papai Noel ou que a maioria das pessoas que moram nas ruas estão lá porque gostam.

O quadro é muito sério. Quem sabe, o mais sério dos últimos cinquenta anos. O desemprego come solto e vai comer muito mais. E não serão apenas os mais pobres que pagarão a conta. Parte da classe média vai descer de patamar.

É uma soma explosiva, que não pode ser agravada com o aumento do número de mortes causadas pela covid19. Chega a quebradeira de empresas, a falta de emprego, a falta de dinheiro, a desesperança nos olhos das crianças embaixo do Minhocão.

Leia também: A pandemia foi pro saco

Não é hora de fazer graça, nem de cutucar a onça com vara curta. Não há nada que diga que é pra sair de casa. Que é pra dançar funk de madrugada, ou jogar conversa fora, sem máscara, nos botequins da vida. Cautela e canja de galinha nunca fizeram mal pra ninguém.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.