Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Parece que está melhorando

 

É verdade, a maioria não sabe nada e, quem sabe, sabe muito pouco. O coronavírus se espalhou pela terra, mas não contou quem é.

Simplesmente chegou, deu as caras, viajou ao redor do mundo, entrou de sola na vida das pessoas: assustou, matou, enlutou milhares de famílias; levou centenas de milhares de doentes; não deu chance aos mais velhos; fez a festa entre os mais novos; levou de tudo um pouco, mas ainda sabem muito pouco sobre ele.

Leia também: Os números da pandemia

Nunca, na história recente, a ciência fez esforços tão concentrados e tão unificados como no enfrentamento do coronavírus. Nações que mal falam entre si dividem conhecimento, estatísticas, experiências e a Organização Mundial da Saúde está coordenando um pool de países e democratizando as soluções para enfrentar a pandemia.

Mas até agora estamos no “pode ser”. Será que será? Será que vai dar certo? Entre as mais de cem vacinas em desenvolvimento, alguma vai efetivamente funcionar?

As velas acesas são todas para isso acontecer, mas o caminho ainda é longo e o Brasil é palco das experiências dos laboratórios, não porque está bem na fita, mas exatamente pelo contrário.

Somos o segundões nas estatísticas internacionais. Na nossa frente apenas os Estados Unidos, o que não é pouca coisa, quando se pensa na incompetência de grande parte dos governantes do mundo.

Leia também: O lado bonito da pandemia

Com mais de cento e vinte mil mortes por Covi19, seria estranho não nos procurarem para campo de testes. Vamos ver o que acontece.

De qualquer forma, com base nos números da Santa Casa de São Paulo, a cidade assiste à diminuição das internações em enfermarias e UTI´s e do número de mortos. A pergunta é se é para sempre ou se, por culpa nossa, podemos ter uma recaída.

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.