Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Os ipês amarelos

 

Os ipês amarelos são disciplinados. Esperaram as últimas flores dos ipês brancos cobrirem de neve as calçadas para entrarem com tudo, substituindo o branco dos natais nórdicos pelo amarelo dos Eldorados arrancados das lendas pela saga dos bandeirantes.

Lagoa Dourada, Paraopeva, Martírios, Serra de Prata, Sabarabuçu, Goiás e as monções atrás do ouro de Cuiabá.

Leia também: Mais ipês florescem em São Paulo

Longas viagens pelas matas fechadas, serras e pirambeiras; campos e cerrados; corredeiras e cachoeiras; e os mistérios da Iara. Os pousos para plantar o que comer mais pra frente e seguir no rumo das antigas rotas que plotavam o ouro nas margens dos rios, onde viviam tribos encantadas, cobertas com adornos de ouro e de prata, esperando o bandeirante, como uma promessa, como um sonho real.

O amarelo das flores dos ipês fala dos anos pelejando sertão a dentro, de onde tantos não retornaram, como os antepassados que o poeta Paulo Bomfim foi encontrar nas serras do Paraíso.

Ouro! Mola catapultando os moradores de todo o Brasil para as Minas Gerais, arrancadas de São Paulo pelos emboabas no Capão da Traição.

Ouro levado para Portugal e de lá para a Inglaterra, onde financiou a Revolução Industrial. Não contam nas escolas, mas foi o ouro brasileiro, exportado às toneladas, que viabilizou a primeira revolução industrial e consolidou a indústria britânica e a Grã-Bretanha como a potência naval hegemônica até a Primeira Guerra Mundial.

Leia também: Os ipês amarelos começam a chegar

Saga dos bandeirantes varando o sertão para encerrar, quatro milhões de quilômetros quadrados depois, o décimo primeiro canto dos Lusíadas.

Saga das mulheres paulistas que ficavam à frente das fazendas nos longos anos que seus maridos descobriam sonhos e faiscavam tesouros. Longos anos, vivos nas flores dos ipês amarelos homenageando o passado.

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.