Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Alternâncias

 

Um dia faz um calor abissínio de trinta e quatro graus, no dia seguinte faz um frio mais comportado, de quinze graus. Depois o processo se inverte e viceversamente, do frio de quinze graus pulamos para o calor abissínio, como se fossemos soldados das tropas fascistas italianas, prontos para conquistar o império do Négus.

Leia também: Alta temperatura

As explicações são concordes: é a primavera. Na primavera as coisas se confundem e, consequentemente, falta a lógica necessária para o clima se comportar de forma civilizada.

O clima não está nem aí para o que nós consideramos civilizado. Ele faz o que quer e ri de nós, da nossa fraqueza e insignificância diante dele.

As estações do ano, no Brasil, nunca foram muito ortodoxas. Desde sempre, no meio do inverno temos temperaturas escaldantes e no meio do verão de repente vem uma onda de frio nascida na Argentina que gela tudo.

É por isso que quando, no calor do inverno, as pessoas me dizem que vão doar suas roupas de lã, eu digo: tenha calma. O verão está logo aí, você ainda vai precisar delas.

Não tem o que fazer. Me lembro de dias gelados no inverno, de dias abissínios no verão e de dias de todos os jeitos ao longo do ano. Varia para cá, varia para lá, mas no final, entre secos e molhados, não tem ano que não faça calor no inverno e frio no verão.

Como a primavera está no meio, nada mais lógico do que as coisas aconteçam com mais rapidez e que o frio dê lugar ao calor em menos de vinte e quatro horas.

Leia também: Água faz bem

Quem reclama é a saúde. Não tem cenário mais convidativo para uma pneumonia. Não tem época mais propícia para doenças respiratórias ou uma gripe de derrubar elefante.

Ainda bem que é assim. A alternativa é muito pior.

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.