Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

As quaresmeiras

Não existem duas pessoas iguais. Podemos ser semelhantes como espécie, como raça, como religião. Mas a semelhança acaba aí. Não há nem mesmo na religião, duas formas iguais de se adorar a divindade, ainda que sendo ensinados da mesma forma, pelo mesmo professor. E quando chega nos times de futebol essa igualdade desaparece de vez, mesmo em se tratando de são-paulinos, o que por si só faz a diferença que aproxima as pessoas, mas não as faz iguais, nem na forma de torcer.

E se esta verdade vale para os humanos, vale mais ainda para os vegetais. Não existem duas árvores, ou duas plantas iguais. São no máximo semelhantes, e esta semelhança é menor entre elas do que entre nós.

Nem as flores do campo que nascem livres e ao deus dará, em áreas contínuas e sem barreiras, iluminando toda uma campina, são verdadeiramente iguais. Cada uma é uma, com particularidades que no conjunto não aparecem, mas que, se olhadas de perto, saltam à vista como as verrugas nos narizes das bruxas.

É por isso que cada quaresmeira é única e suas floradas por mais parecida que sejam também são únicas, seja no momento em que flores abrem, seja na duração da florada ou na quantidade de flores por galho. Para não falar nas cores das flores que podem até ser parecidas, mas nunca são iguais. Uma esmaece para um lado, outra encorpa do outro, variando ainda que sutilmente de árvore para árvore.

Artistas, algumas quaresmeiras se esmeram mais. Elas são mais vaidosas e por conta desse traço enfeitam mais os locais em que estão. O duro é que isso só aparece depois da árvore plantada o que faz com que nem sempre a nossa seja a mais bonita, com torcida e tudo.

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.