Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Eu sei que você sabe

 

O flamboyant floriu com força, como se uma raiva profunda o fizesse se mexer para mostrar que os flamboyants são parte da vida da cidade e não admitem serem deixados de lado quando se fala nas árvores com as floradas mais bonitas.

Os flamboyants são árvores de época. Eram comuns nas fazendas de café, enfeitando os terreiros e os jardins.

Mas são árvores de vida curta. Então grande parte dos flamboyants plantados na época das grandes fazendas já caiu, saiu de cena, substituídos por outras árvores, ou nem isso, o que faz com que, apesar a fúria do flamboyant florido, eles não sejam tão conhecidos pelos moradores de São Paulo.

Leia também: Nem uma árvore é igual a outra

Diz a lenda que o Saci se escondia no oco de um flamboyant. Pode ser, como pode ser que nas noites de lua cheia a Cuca fosse se encontrar com ele para discutirem a melhor forma de montarem na Mula-sem-cabeça.

Quem sabe dessas histórias são os antigos moradores do interior, onde as fazendas ainda mantêm a calma de outros tempos e as coisas seguem no passo do dia, sem pressa e com começo, meio e fim.

Quantos sítios têm flamboyants enfeitando seus terreiros ou o jardim ao lado da casa! São paisagens típicas de determinadas regiões, normalmente mais montanhosas, onde a cana e a soja ainda não chegaram.

Leia também: Os encantos da Árvore de Natal do Ibirapuera

Mas o flamboyant florido que chamou minha tenção está plantado perto de casa, numa calçada de rua de bairro, ao lado de ipês e sibipirunas que também enfeitam o pedaço.

É uma árvore grande, erada e imponente, soberana nos seus galhos grossos se estendendo por cima da rua.

Quanto ela ainda tem de vida? Quem sou eu para saber… Mas com certeza tem tempo. O bairro não é tão antigo. Então ela deve estar na metade de sua jornada, o que é muito bom porque teremos muitas floradas.

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

 

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.