Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

O presidente se chama Joe Biden

 

Tanto faz o que José posta, o que Arnaldo acha, o que os cartomantes não veem ou o que Jair gostaria que fosse.

É absolutamente indiferente para o mundo e não interfere no andar da carruagem. Quem pode, pode; quem não pode, se sacode. Velho e sábio ditado caipira, que deveria servir de ponto de partida para as reflexões não tão elaboradas de quem deveria dar o exemplo, mas não dá.

O fato concreto, inquestionável, indisfarçável e positivo para as nações é que os Estados Unidos têm novo presidente e ele se chama Joe Biden.

Leia também: Comparando somos menos ruins do que parece

Graças a Deus ele se chama Joe Biden. Mesmo sabendo que, no curto prazo, o Brasil pode pular picadinho, em função das posturas constrangedoras do Presidente da República, a verdade é que graças a Deus ganhou Joe Biden.

O mundo não suportaria mais quatro anos do “looser” norte-americano, “fired by the people”, depois de toda a sorte de destemperos, tolices e maldade gratuita.

Mais quatro anos de boçalidade e estupidez não fariam bem para ninguém, muito menos para os bilhões de pessoas afetadas pelos atos sem o menor critério ou sentido praticados por Mr. Trump.

Leia também: Pacote para delivery

Agora, Mr. Trump é “history” e será rapidamente esquecido, como todos os medíocres que vieram antes dele e que sumiram poucos anos depois. Seu legado será um buraco vazio.

Há muito que ser feito para recuperar os estragos, mas o simples fato de não ser mais ele abre a porta para a esperança e a esperança é a mola que move o mundo.

Não houve fraude, houve a vontade soberana do povo norte-americano. Ela foi suficiente para recolocar ordem na casa.

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.