Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Comparando somos menos ruins do que parece

 

O Brasil tem feito tolices? Mais do que fazer tolices, temos falado mais do que o necessário e, como diz o mineiro: “quem fala muito dá bom dia a cavalo”.

Tem coisa errada, tem ações sem pé nem cabeça? Tem. E tem muito. Não há razão para insistirmos em temas sem nenhuma importância ou sem relevância para o país.

Leia também: Não acredite em conto de fadas

Os incêndios na costa oeste norte-americana são tão ou mais violentos e destruidores do que os incêndios no Pantanal, nas serras paulistas, no Triângulo Mineiro e em outras áreas do nosso imenso território.

As chuvas que varreram o sul da França são tão brutais quanto as tempestades de desabam em Petrópolis e arrastam morros e casas com a tranquilidade de quem sabe que é mais forte.

A Amazônia é um caso à parte? É. E não tem sentido o Brasil assumir as posições que vem assumindo. Só serve para dar munição para políticos sem maiores escrúpulos fazerem a festa.

Serve como munição para politicagem barata em países que passam por problemas morais e na vida pública tão complicados como os nossos. É muito mais fácil por a culpa no Brasil do que enfrentar agricultores descontentes porque nossos produtos são mais competitivos.

Leia também: Uma vergonha nacional

É olhar em volta para ver que os grandes líderes ocidentais, com a honrosa exceção de Ângela Merkel, são da pior qualidade. Líderes como Churchill, Roosevelt, De Gaulle, Margaret Thatcher, Elizabeth I, Catarina a Grande devem esconder as cabeças no fundo dos túmulos, com vergonha do que vai sendo feito e dito, principalmente no chamado ocidente.

Ganham os líderes chinês e russo, que nadam de braçada em cima dos outros países. E poderíamos ganhar nós também ao descobrirmos que, se somos ruins – e somos -, os outros não são melhores.

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.