Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Vai que vai e vai mal

 

Ninguém sabe muito bem para onde, mas vamos que vamos. De verdade, temos muita espuma e pouca água. Gritam daqui, gritam dali, mas o barco continua mais ou menos encalhado, ameaçando fazer água na próxima maré.

Pode ir e pode voltar, e é melhor ir ou voltar do que ficar como está, com o casco ameaçando romper e a água entrar. Se fizer água, o naufrágio é rápido. Em pouco tempo temos tudo para voltar para o começo da década de 1990, com todo o drama de uma hiperinflação pra complicar o quadro.

Leia também: Tá todo mundo louco

Não, não é sonho, é ameaça real. O pesadelo está na nossa porta, pronto para virar realidade se não fizermos nada e o Ministro da Economia só insistir em recriar a CPMF.

Entre o discurso liberal de campanha e o que vamos vendo não sobrou nem a cor da areia, nem a pegada na terra. Não sobrou nada, exceto um bla-bla-blá que não leva ninguém no bico.

O coronavírus não foi embora, a vacina não vai chegar tão cedo e os brasileiros continuarão na sua rotina de mortes. Centenas todos os dias, com a possibilidade de uma segunda onda elevar de novo para mais de mil.

Mas para o Presidente, somos só um país de maricas. É verdade que temos saliva e, quem sabe, um pouco de pólvora. Não deve dar para muita coisa além de abastecer fogos de artifício.

Leia também: Tem mais desempregados que empregados

Do outro lado, a crise fiscal tem munição de sobra para causar estragos muito rapidamente. A inflação que deveria ficar em torno de 2% já está com previsão de mais de 3,8% e pode subir mais.

Pra quem não reparou, quer dizer um aumento de quase cem por cento, com toda a probabilidade de passar disso. Não é hora de fazer graça, nem de fingir que manda. O buraco está crescendo e, depois que abre, ele não tem fundo.

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.