Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Os pores do sol em São Paulo

São Paulo sempre teve o pôr do sol deslumbrante. Desde que eu era menino, paro nos lugares mais variados para ver o sol descer, trazendo a noite para a cidade em verdadeiras obras primas de deixar Turner e outros mestres da paisagem com inveja.

Nenhum pintor conseguiria retratar o que é o pôr do sol por aqui. Nem os grandes clássicos, nem os mestres das cores, os impressionistas que levaram a pintura a um estágio sublime, ou mesmo os modernos abstratos. Nenhum teria capacidade para pintar este quadro porque a beleza, às vezes, transcende a habilidade humana, como que para nos mostrar nosso lugar e nossa imensa insignificância.

O pôr do sol do Pacaembu foi provavelmente o primeiro que serviu de isca para o vício que veio atrás, sempre procurando, sempre querendo ver onde e como o sol se põe, nos mais variados cantos da cidade.

Foi assim que descobri a praça do Pôr do Sol muito antes dela ficar conhecida. E assisti o pôr do sol da Barra Funda inundar o céu com um vermelho denso que se espalhava na direção da serra servindo de fundo como se o céu estivesse em chamas.

Também peguei alguns pores do sol na avenida Paulista, e outros em regiões opostas, baixas, de horizonte curto, onde o sol aparecia entre prédios, tingindo de rosa o céu poluído.

Nesta longa caminhada vi pores do sol de todos os jeitos em todas as épocas do ano. E é por isso que eu afirmo com certeza: São Paulo não tem pôr do sol mais bonito do que o pôr do sol de inverno no fundo da USP, visto da ponte da Cidade Universitária, em cima do rio Pinheiros.

Lá o sol atinge um tom de vermelho diferente de todos os outros e, ajudado pela poluição tinge o céu com cores que só Deus consegue criar.

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.