Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

O homem sem máscara

 

O homem seguia pela rua andando devagar, com as mãos nos bolsos e a cabeça abaixada para a frente, como se quisesse encostar o queixo no peito. Parecia não sentir o calor de depois do almoço do dia de começo de outono, nem o sol radiante batendo nas suas costas.

Seguia sem máscara, com o jeito amuado, triste, sem olhar para o lado, como se não quisesse ver ninguém, nem saber o que acontecia em volta.

Leia também: 50 anos atrás o homem chegou na lua

Era ele e seus pensamentos. Ou a falta de seus pensamentos. Caminhava com passos de sonâmbulo, com os lábios apertados e os olhos para baixo.

A calçada separava a rua de uma série de lojas de todos os tipos instaladas no endereço decadente. Há 50 anos, o comércio fora fino, mas agora, com o abandono do Centro, reunia um pouco de tudo, de loja de material de construção a bar, de farmácia a portinha que vende artigos de couro, passando por lojas de sapatos e outras que vendem perfumes, sabão de barba e o mais que a vida moderna exige.

Mas o homem não olhava as vitrines, nem para dentro das lojas. Seguia em frente, perdido em seus pensamentos, ou na falta deles, quem sabe empurrado pela lembrança de um dia feliz ou de uma noite alegre.

Não estava nem aí se estava de máscara ou não. Sua preocupação era outra, mais profunda, quem sabe a perda de alguém próximo levado pela pandemia.

Leia também: A morte de um homem bom

Quatrocentos mil mortos é muita coisa, mas para o homem andando sem máscara pela rua do Centro, debaixo do sol da tarde de começo de outono, era indiferente.

Não sei se era dor ou desesperança, não sei o que ele sentia, mas seu rosto era o retrato da tristeza do mundo, comprimida num só coração.

 

___
Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.