Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

A tecnologia e o porteiro

Esta profissão está em extinção?

Quem mora em prédio ou em um condomínio residencial provavelmente tem uma relação de confiança com o porteiro. Não raramente pedindo-lhe uma ajuda com as compras, para trocar uma lâmpada que queimou ou deixando as suas chaves com ele. Bom dia, boa tarde e boa noite, também fazem parte desta relação humana, e a empatia que o porteiro tem com os moradores não pode ser substituída por nenhuma tecnologia, pelo menos por enquanto. Mas será que esta profissão está fadada à extinção?

Notoriamente, muitos condomínios têm optado pela portarias virtuais, ligadas a centrais de monitoramento, ou eletrônicas, que são controladas pelos próprios moradores, em substituição aos porteiros como uma forma de redução de custos. E os números comprovam. Uma pesquisa da Abese, Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança, mostra que São Paulo é o Estado com a maior participação de portarias remotas do país, 43% do total, seguido pelo Paraná (13%) e o Rio Grande do Sul (9,2%).

Mas não são todos os condomínios e prédios que estão aptos a adotar esta tecnologia, seja pela sua própria estrutura ou pelo perfil de moradores, principalmente para os que têm uma população mais idosa. Há também uma desconfiança sobre a real eficácia do sistema no quesito segurança. E, ainda, uma resistência dos próprios moradores pela relação de anos que eles têm com os porteiros.

A tecnologia, por enquanto, não substitui este contato humano, há indícios de que a inteligência artificial caminhará neste sentido, o que ainda deve levar anos. Uma outra opção que também tem sido utilizada é as portarias híbridas, que combinam o atendimento presencial com a portaria remota ou virtual. Talvez a tecnologia nas portarias seja um caminho sem volta, principalmente nas novas edificações. Nas antigas, uma opção dos condôminos.

Você acha que esta profissão desaparecerá? Compartilhe:

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.