Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Empreendedorismo feminino

As mulheres conquistam cada vez o eu espaço e também em cargos de liderança

Até o ano de 1962, as mulheres casadas só podiam trabalhar fora de casa com a autorização de seu marido. A primeira mudança veio com o Estatuto da Mulher Casada, que acabou com essa restrição. Anos depois, em 1988, a
Constituição Federal determinou a igualdade de direitos entre o homem e a mulher. E o que vemos no Brasil é cada vez mais mulheres à frente dos negócios. Prova disso é que entre 49 países avaliados, o Brasil ocupa a 7ª colocação em se tratando de empreendedorismo feminino.

Curiosamente, nos primeiros lugares estão: Madagáscar, Panamá e Indonésia. No Brasil são 24 milhões de mulheres empreendedoras, que representam 35% dos negócios no país, os dados são do Sebrae e mostram, ainda, que cada vez mais tem aumentado a participação delas como a principal fonte de renda de seus lares. Em um período de dois anos, o percentual passou de 38% para 45%, e elas têm mais.

Quando o assunto é escolaridade, elas superam os homens. Empreendedoras brasileiras têm um nível de escolaridade 16% superior a eles. Porém, em se tratando de rendimento, elas ganham 22% menos do que os empresários. E a proporção de novos empreendedores no país, o que significa um negócio com menos de 3 a 5 anos, é maior entre elas: 15,4% contra 12,6% de homens.

E não somente empreendedoras, as mulheres também têm conquistado cada vez mais cargos de liderança. Globalmente no ano passado, a presença feminina nesse quesito cresceu 12%, em média, e o Brasil foi o 10º país no mundo com mulheres em cargos de liderança, segundo um estudo “Women on the Business 2019” da International Business Report (IBR).

O que você acha que falta as mulheres conquistarem? Compartilhe:

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.