Pacaembu

Eu cresci no Pacaembu, para onde meus pais se mudaram em 1.956. Na época várias ruas do bairro ainda eram de terra, e os terrenos baldios serviam de quartel general para os bandos de meninos que os usavam para esconderijos e campos de batalha, dependendo da situação. Era uma época…

Continuar lendo

Os aviões começam a voltar

Durante o último ano e meio, o silêncio foi a marca registrada de boa parte da cidade, por onde os aviões passam por cima, voando nos corredores de decolagem e pouso do aeroporto de Congonhas. Congonhas era longe da cidade. Faz tempo, quando o aeroporto foi construído, em volta era…

Continuar lendo

Sinta a cidade

Sinta a cidade como se ela fosse parte do teu corpo. Como se fosse mais que concreto, tijolos e asfalto, uma parte viva que faz parte de você, como teus olhos, ou tuas mãos e a capacidade de sentir e ver que te faz também ser parte dela. Sinta a…

Continuar lendo

A inversão do vice-versa

Imagine o Canadá com temperatura batendo nos 47 graus centígrados. Coisa de pesadelo, de mudança do eixo da terra, de ficção científica ou alguma arma de raios desenvolvida por um ditador com ambições de dominar o mundo. Agora imagine Cuiabá com 10 graus centígrados. Pois é… coisa de ficção científica,…

Continuar lendo

Inverno mais quente

Ainda bem que este inverno vai ser mais quente! Mal começou e São Paulo experimentou temperaturas próximas dos sete graus, enquanto o Rio Grande do Sul e Santa Catarina viram a neve dar as caras muito antes do que seria de bom tom. Dizem os formalistas que as coisas devem…

Continuar lendo

Madrugada

A madrugada é terrível. É nela que todos os fantasmas saem das gavetas da memória e tomam conta do quarto, assombrando a escuridão vagamente quebrada por uma primeira claridade que vara as frestas da janela. De madrugada cada cavalo tem sua cor e nenhum gato é pardo. As coisas explodem…

Continuar lendo

Azaleias e Manacás

Chegou a hora das azaleias. Elas têm lugar de destaque na paisagem de São Paulo. As casas dos Jardins, quando tinham muros baixos, costumavam ter azaleias plantadas na frente e hibiscos nos muros laterais. Os hibiscos saíram de moda, mas as azaleias seguem firmes na frente das casas e nesta…

Continuar lendo

A cidade que anda

Desde seu começo, São Paulo tem uma mobilidade impressionante. Por isso, desde seu começo, a administração da cidade sempre correu atrás dela, indomável e apressada, em todas as direções, pelo enorme planalto de Piratininga. Durante quase 400 anos, a cidade foi uma vila pequena, cercada por outras vilas pequenas, que,…

Continuar lendo

O voo dos urubus

Urubu é bicho feio, tem cabelo até no joelho. O verso da marchinha é verdadeiro, com é verdade que antigamente se fumava Iolanda e se usava chapéu de banda. O tempo passou, ninguém com menos de 60 anos viu na vida um cigarro Iolanda e, faz tempo, ninguém mais usa…

Continuar lendo

A natureza e a cidade

É impressionante como a natureza se adapta aos novos ambientes, às vezes até com enormes vantagens sobre a situação anterior. É o caso das aves na cidade de São Paulo. Quando eu era menino o que mais voava por aqui eram pardais, vindos de Portugal, que estavam acabando com os…

Continuar lendo