Os pássaros nas madrugadas do verão

Nas madrugadas da primavera é comum se acordar de madrugada e ficar escutando, desde ainda escuro, os pássaros piando, cantando, chamando as fêmeas. No verão isso não é possível. Os pássaros nessa época do ano simplesmente não cantam tão cedo. Pode ser que o calor os faça ficarem com sono…

Continuar lendo

Os quero-queros

O quero-quero é a ave símbolo dos pampas gaúchos. Ave das imensidões meridionais varadas pelos cavaleiros de bombachas, com suas facas de ponta e as cuias de chimarrão. O Rio Grande do Sul é sua terra. É lá que tradicionalmente os quero-queros fazem a festa, na sua piação estridente, informando…

Continuar lendo

Os pássaros do verão

Quem acorda de madrugada na primavera e acorda de madrugada no verão, sabe que os pássaros que cantam de madrugada na primavera não são os mesmos que cantam nas madrugadas do verão. Dizem que a noite foi feita pra gente dormir. Só que de vez em quando nos esquecemos disto…

Continuar lendo

Os sabiás e a primavera

Fora ainda está escuro. Uma levíssima claridade, formada mais pela iluminação da rua do que pela aurora que ainda não nasceu, delimita o quadro da janela do quarto, onde, eu, madrugando sem querer, penso na vida, na solidão da madrugada. De repente, ele começa. Ainda está escuro, mas ele começa….

Continuar lendo

Os sabiás de madrugada

Tem quem goste, tem quem não goste. E tem quem queira matar os sabiás desembestados cantando de madrugada. A vida é assim, nem todo mundo gosta do que o próximo gosta. E a riqueza da vida é exatamente esta, como perguntava o antigo comercial: o que seria do verde se…

Continuar lendo

A natureza e a cidade

É impressionante como a natureza se adapta aos novos ambientes, às vezes até com enormes vantagens sobre a situação anterior. É o caso das aves na cidade de São Paulo. Quando eu era menino o que mais voava por aqui eram pardais, vindos de Portugal, que estavam acabando com os…

Continuar lendo

De manhã

De manhã, São Paulo, dependendo do pedaço, nem parece São Paulo. Andando a pé pelas ruas da cidade, perto da marginal do Pinheiros, é possível ver coisas que já não deveriam ser rotina, mas que fazem parte do cotidiano da cidade, como os caminhões que ainda entram pela Valentim Gentil….

Continuar lendo