Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Política é política

Ninguém tem dúvida, política é coisa para profissional. Não tem espaço para amadores, pessoas bem-intencionadas, gente boa em geral.
Diz a lenda que o grande estadista britânico, Winston Churchill, ao explicar a política, a definiu como: “nem moral, nem imoral – amoral”.

E um jornalista americano escreveu que se os índios votassem Roosevelt não hesitaria em entregar a mãe para ter os votos da tribo.

Política é mais ou menos a mesma coisa em qualquer lugar. Pode variar um pouco a intensidade das ações, a forma de fazer, a malandragem por trás, mas, entre secos e molhados, não há uma diferença impressionante entre o que um político e outro político são capazes de fazer.

A semiexceção à regra é o político brasileiro. Este desponta no horizonte como um ser mais daninho do que a média internacional. Mas, mesmo ele, não se destaca pelo ineditismo ou pela maior falta de ética. Não, a diferença são as proteções que o político brasileiro tem a seu favor e que lhe permitem ir mais longe na defesa de seu curral eleitoral e de suas prerrogativas, notadamente as econômicas.

Você pode se interessar:

O interessante é que o político brasileiro está conseguindo exportar tecnologia. Num momento em que as exportações brasileiras se resumem quase que apenas a grãos e minério em natura, o político brasileiro está exportando tecnologia para países muito mais desenvolvidos e o resultado pode ser visto nas notícias da imprensa a respeito das barbaridades que vão pipocando em volta do mundo.

O dado triste é que quem paga a conta somos nós. Como dizia Jânio Quadros, um político tipicamente brasileiro, política é a festa do Lalau… eles entram… e nós entramos… Parte da frase é impublicável, mas exprime com exatidão a realidade dramática que explica porque é tão difícil pessoas de bem se interessarem por política.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

 

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.