Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Os ipês

 

O ipê roxo abre a sessão, entrando de sola com suas flores arroxeadas logo na metade do ano. Os ipês roxos são árvores com forte noção de solidariedade, por isso estão plantadas em vários cemitérios da cidade para deixar a eternidade dos mortos mais bela e mais amiga, enfeitada com suas flores deslumbrantes.

Depois, ainda que a ordem não seja absolutamente correta, nem integralmente respeitada, podemos seguir com os ipês rosas e os ipês brancos, para finalizar com os ipês amarelos.

Mas isso é muito mais ou menos, tem sempre um engraçadinho querendo chegar na frente dos outros, o que quebra a sequência, confunde os ipês e atrapalha a rotina das árvores, que se perdem na quebra da ordem.

Leia também: É primavera

Os ipês rosas são deslumbrantes, e completam o cenário criado pelos ipês roxos. Com eles o contraste com o céu atinge um ponto de conto de fadas e aí tanto faz se o trânsito anda ou não anda. Ficar vendo as árvores floridas paga todos os preços.

Os ipês brancos são os mais delicados, os mais suaves, mas sua florada atinge uma intensidade de sonho, como se a neve que não cai no Brasil tomasse suas flores de assalto para mostrar o que o branco mais branco pode fazer para a felicidade dos seres humanos.

Os ipês amarelos falam de lendas, de Eldorados, de Lagoas Douradas, de entradas, bandeiras e monções que partiam de São Paulo para arrancar do fundo dos sertões o ouro que mudou a cara do mundo.

Leia também: As cerejeiras floridas

Suas flores amarelas remetem aos rudes europeus que desembarcaram no Brasil, atrás de aventuras e riquezas.

Os ipês são únicos. Deus os fez florir no outono e no inverno para mostrar que a beleza não tem época, nem idade, e que compete a cada um de nós encontra-la para dar sentido à própria vida.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

 

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.