Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Os semáforos continuam abrindo ao contrário

 

Não sei por que eu me espanto ou me irrito. Os semáforos continuam abrindo ao contrário porque não aconteceu nada para eles abrirem em outra ordem.

Nenhum anjo desceu do céu com sua espada de fogo, nenhuma entidade da mata saiu das florestas da serra para encantar os computadores da CET, nenhuma prece é tão forte que consiga mudar o ritmo da incompetência da mais incompetente das entidades públicas nacionais.

Leia também: Mais CET

Há quem diga que tem mais gente querendo entrar na disputa, mas, até agora, a CET é imbatível, ninguém se aproxima de seus recordes, ninguém chega perto dos estragos que ela já fez e permanentemente continua fazendo.

Eu me irritar quer dizer apenas que a cidade estressa as pessoas. O óbvio é óbvio há tantos anos que não tem sentido isso acontecer.

Se a CET fosse, desde sua criação, um exemplo de bom funcionamento, tudo bem, sua incompetência poderia ter o dom de assustar, de levantar dúvidas sobre a chegada do próximo dilúvio.

Mas não é nada disso. Faz muito tempo que a rotina é essa. Ou pior ainda, na medida que algumas ações são, evidentemente, uma forma de enlouquecer o cidadão.

Leia também: São Paulo aos domingos

Semáforos abrindo ao contrário são a regra. Quem sabe por isso, quando acontece de abrirem na sequência correta, em seguida nos revoltamos ao vê-los funcionado, de novo, como sempre.

Saber que é possível fazer certo, mas continuar fazendo errado é diabólico. Este é o trunfo que faz a CET se destacar no universo de incompetências que cercam o brasileiro e sugam seu dinheiro em impostos escorchantes.

Não vou me irritar. Hoje é só mais um dia dentro da rotina da cidade.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.