Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Você conhece o seu vizinho?

Talvez ele esteja elaborando pratos incríveis

A pandemia fez ressurgiu um hábito bastante comum no passado, as pessoas passaram a cozinhar muito mais e muitas delas começaram a ver a culinária como um ganha-pão ou um acréscimo na sua renda. Já é comum nos condomínios e na vizinhança quem ofereça os mais diversos pratos prontos, tortas, pães e doces. Aliados à tecnologia, muitos criaram aplicativos para divulgarem os seus produtos e praticamente com um cardápio profissional. Uma prática que pode se estender após a pandemia.

A mudança de rotina impôs a todos nós a necessidade de nos adaptarmos. Se comer fora era corriqueiro, durante a semana no intervalo do trabalho ou nos finais de semana, com a família ou com os amigos, agora estamos vivendo uma nova realidade e estamos mais tempo em casa. Cozinhar passou a fazer parte da rotina, mesmo para quem está em home office.

Como diz uma amiga minha, “louça e roupa para lavarmos não acabam nunca” e reduzir uma dessas tarefas pode ser um alívio e um benefício para quem está precisando e até para apreciarmos novos sabores, já que é comum cansarmos dos mesmos temperos. Provavelmente, perto de você tem alguém que está se dedicando à cozinha e tendo essa atividade como uma forma de ganhar dinheiro. Podemos nos surpreender com esses vizinhos e a sua culinária.

E por que não os incentivar a se dedicarem a uma nova profissão? Em tempos de pandemia, muitos estão revendo os rumos que irão tomar. Pedir comida fora já faz parte do dia a dia de muitos e quando ela é boa, a dose é repetida. É assim que os negócios começam a prosperar. Talvez o seu vizinho queira seguir nesse rumo e você só saberá se experimentar o que ele tem para te oferecer. Além disso, você pode ganhar um novo amigo.

Isso está acontecendo perto de você? Compartilhe:

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.