Pneu furou?

Não se preocupe. Borracharia é um negócio que se mantem por mais de um século Mesmo com toda a tecnologia empregada na produção de pneus, parece até que eles não furam mais, mas isto pode acontecer, como também você passar com o seu carro por um buraco e a roda…

Continuar lendo

Quarta feira de cinzas

Acabou o nosso carnaval. Ninguém pula, ninguém dança, ninguém vai atrás do trio elétrico que segue pela avenida, sem som, sem música, sem gente pulando em cima, no ritmo lento do trânsito da cidade de ressaca. Centenas de blocos vieram, viram e passaram. Agora só no ano que vem, quando…

Continuar lendo

Carnaval, suor e cerveja

João e Maria não se conheciam, nem tinham intenção de se conhecerem, mas se conheceram. Coisa de carnaval, quando o mundo gira em outro ritmo e a vida faz que vai, mas volta, na velocidade do bumbo marcando a marchinha e do balanceado que se espalha pela rua. João parou…

Continuar lendo

Iogurte no café da manhã

É interessante como de repente, sem aviso, um cheiro ou um gosto nos remete para momentos passados, muitos deles esquecidos, ou quase, e por isso é uma surpresa quando chegam de volta. Rotinas do cotidiano, o café da manhã, lavar a louça, fazer a cama, momentos sem razão para se…

Continuar lendo

O ocaso do telefone fixo

Houve época em que ter linhas de telefone era um investimento de alta rentabilidade. Uma linha custava caro porque a espera pelas novas linhas, colocadas no mercado pelos planos de expansão, podia levar alguns anos. Quem tinha, tinha. E fazia bom uso delas. Era comum o aluguel das linhas existentes,…

Continuar lendo

Ser chefe não é parecer que é chefe

O Brasil é um país com características interessantes. Não que as outras nações também não tenham particularidades próprias, que as fazem tão interessantes quanto o Brasil. Mas o que interessa agora é uma mania tipicamente nacional. Uma mania profissional, ou um mau hábito adotado por milhares de profissionais, que acham…

Continuar lendo

Calor das profundezas

Minha avó definia o calor dos dias mais quentes como africano. Quando ficava mais quente ainda, ela dizia que o calor era abissínio. Só que neste verão o calor tem ultrapassado todo e qualquer limite civilizado ou não civilizado, atingindo pontos próximos da ebulição da água, ou coisa parecida, o…

Continuar lendo

O jeito foi devolver

Faz pouco tempo contei como o Izidoro, sócio da academia onde auto inflijo minha tortura semanal, comprou um ventilador através de um dos mais renomados sites de compras do Brasil e como o ventilador comprado chegou, faltando um pequeno detalhe, por acaso, as pás. Contei também como o vendedor tentou…

Continuar lendo

Ventilador sem pá

Nesses dias de calor abissínio, fazer ginástica de manhã cedo é duas vezes mais complicado. Eu sei que não tem jeito e que ninguém vai fazer ginástica no meu lugar, então eu frequento a academia do Izidoro e da Arlete faz muitos anos. É uma academia de bairro, pequena e…

Continuar lendo