Os semáforos continuam abrindo ao contrário

  Não sei por que eu me espanto ou me irrito. Os semáforos continuam abrindo ao contrário porque não aconteceu nada para eles abrirem em outra ordem. Nenhum anjo desceu do céu com sua espada de fogo, nenhuma entidade da mata saiu das florestas da serra para encantar os computadores…

Continuar lendo

Por que só no Butantã?

É ótimo ver que São Paulo gosta de praticar esportes e que agora temos corridas e provas de todos os tipos quase todos os fins de semana. Onde a coisa pega é que, por alguma razão que eu ainda não entendi, a maioria dessas provas acontece, passa ou interfere na…

Continuar lendo

Os Sabiás

  Todos os anos, no final do inverno, eles começam a cantar nas madrugadas escuras. A sensação que passam é que a cada ano começam a cantar mais cedo, no tempo e na hora da noite. Os sabiás estão aí, de novo enfeitando as madrugadas com seu canto que tem…

Continuar lendo

O Detran não é tudo isso

  Diz a lenda que o Detran sofreu uma profunda reestruturação e, por isso, se transformou num órgão tão eficiente quanto os Poupatempo’s. Segundo um amigo que precisou ir até lá, é só lenda. O Detran é uma vergonha, onde os funcionários não fazem a menor questão de atender bem…

Continuar lendo

Solução para os buracos

  A cidade está esburacada. Algumas ruas parecem pistas de teste para tanques de guerra e tratores de esteira. Poucas estradas de terra, destas que cortam as fazendas do interior paulista, estão tão maltratadas quanto algumas de nossas principais avenidas. Nada de novo debaixo do sol. Na época em que…

Continuar lendo

Um quadro triste

  Quem conhece e convive com ela, acha a Clotilde muito simpática. Entre as grandes qualidades da cachorrinha está ela ser minha companheira de caminhadas pela Cidade Universitária. A Clotilde adora passear lá e fica me esperando com cara de quem sabe onde está o tesouro do pirata até sairmos…

Continuar lendo

O taxista que gostava de música clássica

  Outro dia levei meu carro para a revisão e, por conta disso, andei de taxi pela cidade. Entre os taxis que tomei, um merece esta crônica. Pena que não anotei seu nome. Precisava ir do escritório para a Academia Paulista de Letras. Tomei o taxi e pedi que ele…

Continuar lendo

Embaixo do Minhocão

  Já foi Costa e Silva, agora é Jango Goulart. Nenhum dos dois merece a honra de dar o nome para o Minhocão, mas o nome do general era melhor, se não for por nada, porque sempre foi o nome do elevado e uma cidade não perde seus referenciais por…

Continuar lendo

Fez frio de Europa

Só os especialistas a esperavam tão forte, mas, no momento certo, a frente fria chegou, trazendo neve, geada e as belezas do inverno, somadas a tudo de brutal e devastador que o frio tem. Fez frio de verdade. Alguns dias com temperatura de inverno europeu, como se a Alemanha tivesse…

Continuar lendo

A violência retorna ao Butantã

O Brasil tem mais de cem mil mortes violentas todos os anos. Dito isso, e sabendo que mais de sessenta mil são assassinatos, discutir a violência que retorna às ruas do Butantã pode parecer muito pequeno. Mas não é. Os assaltos a mão armada são frequentes, especialmente nas ruas da…

Continuar lendo