Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Viver é muito complicado

 

Quem disser que viver é fácil ainda não cresceu ou cresceu e não entendeu nada.

Nem mesmo para os que não cresceram a vida é fácil. Ao contrário, a maioria das crianças do mundo vive ne pobreza, sem comida, saúde, educação e segurança.

Mas tão grave quanto não ter saúde ou educação, é não ter amor, carinho, o calor de um abraço. E aí o número das crianças sobe vertiginosamente, até porque deixa de ser uma questão de diferença social.

Leia mais: Quanto custa viver em São Paulo?

Viver pega pesado. Para uns começa mais cedo, outros, com mais sorte, sentem na pele mais tarde, mas todos sentem, todos pagam o preço, todos atravessam momentos que dariam tudo para não ter que atravessar.

Não é nem questão de quem pode mais chora menos, ou “Eu sou bravo, sou forte, sou filho do norte, meu grito de guerra, guerreiros ouvi”.

É sorte, sorte, e mais uma vez, sorte. Ninguém nasce escolhendo aonde vai nascer, nem filho de quem. Todos nascem porque nascer é o fim de um processo no qual quem nasce não tem nenhuma interferência.

Daí pra frente, é tocar em frente da forma que dá. Com sorte ou sem sorte, em algum instante a vida vai cobrar seu preço. E a pancada é maior quando quem é cobrado não foi educado para enfrentar a cobrança.

Leia mais: Viver bem é a melhor vingança

Como dizia Riobaldo Tatarana, “Viver é muto perigoso”. O Demo está em cada encruzilhada, escondido dentro dos rodamoinhos.

Por que acontece com você? Por que acontece comigo? Por que um ganha na loteria? Por que outro não ganha?

Viver é tocar em frente e tocar em frente implica em escolhas. Aí sim, nós temos o livre arbítrio as suas consequências dependem de nós.

Mas mesmo o livre arbítrio é limitado e pequeno diante da vida. A maior parte de nossa existência corre a nossa revelia. Por isso viver é duro.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.