O avesso pelo avesso

Pode parecer incrível, mas nossos políticos ou, na medida em que não é correto generalizar, pelo menos uma parte deles, querem tungar 500 milhões de reais do orçamento da saúde pública para 2020. É que eles querem aumentar a grana para fazer campanha municipal e assim melhorar as chances de…

Continuar lendo

Que tal um Natal mais quente?

Há mais de sete mil anos o ser humano comemora o solstício de inverno. Com a chegada do Cristo, a data foi marcada no dia 25 de dezembro, criando um dia para a reflexão, a compreensão do que foi feito, o que demos, o que recebemos, qual o resultado da…

Continuar lendo

Uma boca e dois ouvidos

  Diz o caipira que, se fosse para você falar muito, Deus teria dado duas bocas e um ouvido. Como ele fez o contrário, e deu duas orelhas e uma boca, quer dizer que você foi feito para ouvir mais e falar menos. Em boca fechada não entra mosquito. A…

Continuar lendo

Praça Villaboim

  A primeira praça em que eu brinquei foi na Praça Villaboim, em Higienópolis. É um triângulo pequeno, encravado entre duas ruas, uma, indo e ligando o bairro à cidade, e outra vindo, ligando o bairro ao bairro. No meio da praça tem uma figueira benjamim que impõe respeito. E…

Continuar lendo

O futuro cada vez mais distante

  O resultado da análise do desempenho dos alunos brasileiros, de acordo com o PISA, nos coloca entre as piores posições de setenta e nove países avaliados em ciências, leitura e matemática. Abrindo o resultado o quadro fica ainda mais dramático. Nossa situação não é pior porque o desempenho dos…

Continuar lendo

Por que remar contra?

  Às vezes eu olho o mundo em volta e me pergunto por que tem gente que tem prazer em remar contra. Fazer o mal, atrapalhar, sem outra razão a não ser fazer o mal e atrapalhar. Normalmente, olhando pra elas de perto, o que aparece atrás dos brilhos e…

Continuar lendo

Lembrando ícones do passado

  “Um bom sono pra você e um alegre despertar”. O comercial dos Cobertores Parayba, com o desenho das crianças indo dormir com o castiçal na mão, marcou época na TV brasileira. Da mesma forma que o: “Quem bate? É o frio. Eu não deixo você entrar. As Casas Pernambucanas…

Continuar lendo

Lição de humildade

  Tem certos dias em que me sinto muito importante ou, ao contrário, acho que o mundo não gosta de mim. O melhor jeito para resolver as duas situações é descer no Pronto Socorro da Santa Casa de São Paulo e dar uma andada pelos corredores normalmente sem macas, vendo…

Continuar lendo

A irritação é o padrão nas ruas

  Andar por São Paulo é sempre fascinante. Observar a cidade e seus moradores tem sempre algo novo, algo inesperado ou surpreendente. Não precisa ser grandioso, nem importante, nem fazer diferença na vida de milhares de pessoas. As coisas fascinantes muitas vezes são como as violetas: pequenas, não chamam a…

Continuar lendo

Os engraxates estão acabando

  Durante décadas os engraxates foram figurinhas carimbadas na cidade de São Paulo. Não só estavam em todos as barbearias da cidade, como estavam nas praças e ruas do centro. Durante mais de 30 anos, o Seu Pereira engraxou meus sapatos. A parceria começou quando eu estava na Faculdade de…

Continuar lendo