Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Sorvetes

 

Entre as maravilhas do mundo, os sorvetes deveriam ter lugar de destaque. Nada contra os outros alimentos, mas poucos alimentos chegam perto do sorvete, ainda mais num dia de calor. Se sorvete é gostoso no inverno, é melhor ainda na primavera e no verão e – por que não? – no outono e no inverno seguinte, e assim por diante, indefinidamente.

Tem gente que vai defender as tortas de maçã. Outros irão brigar pelas mil folhas e pelos eclairs ou pelos merengues, para não falar nos palmiers e todos os tipos de chocolates.

Respeito e não tiro a razão de ninguém, apenas é importante marcar presença e reforçar que os sorvetes têm lugar de destaque em qualquer lugar do mundo, incluído o Alasca, a Noruega, a Islândia e todas as outras terras frias do planeta.

Leia também: As histórias de amor

Sorvete é sinônimo de paz. Onde tem sorvete fica mais fácil os inimigos conversarem. Fica mais fácil interromper as matanças e barbaridades que o ser humano desenvolveu para fazer mal ao próximo.

Durante muito tempo, São Paulo teve duas marcas de sorvetes. As cidades do interior tinham suas maravilhosas sorveterias artesanais, o Guarujá tinha a inesquecível sorveteria Guarujá, mas ali, na linha de frente, eram apenas duas marcas que se destacavam.

Leia também: A importância do queijo

Agora o quadro mudou. São Paulo tem um enorme rol de sorveterias, uma melhor do que a outra. Uma mais criativa do que a outra, uma mais mágica do que a outra.

As grandes marcas continuam aí, firmes e fortes, mas longe da hegemonia que tiveram no passado. Mesmo nos supermercados, ao lado dos freezers delas, outras marcas mostram seus produtos, encantam e cativam os consumidores. Quem ganha somos nós, os apaixonados por sorvete. Poder escolher faz toda a diferença.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.