Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Policiamento no Guarujá

 

As férias acabaram, o Guarujá já não está cheio, a maioria dos turistas retornou para suas cidades, a praia agora é de quem tem a sorte de poder ficar lá e aproveitar os espaços vazios, o horizonte largo, as ondas quebrando na areia dura de Pitangueiras, a melhor praia para se caminhar no mundo.

Dizem os que passaram as férias lá que durante a semana as praias ficavam quase vazias e que era gostoso ficar algumas horas sem fazer nada, com espaço de todos os lados do guarda-sol, as crianças brincando e um bom pastel de queijo feito pela Fátima para enganar a fome.

Leia também: A moradora de rua e a nota fiscal

As férias acabaram, mas eu tenho que retomar o tema do Guarujá nas férias, até porque, se não o fizesse, estaria cometendo uma enorme injustiça.

O que chamou a atenção neste verão não foram os dias insuportavelmente quentes. Eles aconteceram, deram o ar da graça, maltrataram a noite de muita gente, mas não foram o marco das férias.

O que fez a diferença e chamou a atenção desde o primeiro dia do ano foi o policiamento. Frequento o Guarujá faz muito tempo e não me lembro de ter visto a cidade com policiamento parecido com o deste ano.

Leia também: Guarujá

A Polícia Militar e a Guarda Civil Municipal estão de parabéns. Planejaram uma ação eficiente, que não atrapalhou a vida dos turistas, mas inibiu a ação dos bandidos, permitindo que as pessoas inclusive ficassem na praia até tarde da noite.

Não houve ponto próximo da orla que não fosse constantemente percorrido por policiais a pé, de bicicleta, em quadriciclos e em viaturas. E as áreas mais retiradas também tiveram acompanhamento especial, tanto que não se ouviu falar de um único caso mais violento.

Parabéns a todos os responsáveis pelo sucesso do policiamento do Guarujá! Vocês mostraram que prevenir e conter a violência é possível.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

 

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.